Síndrome do Piriforme e o Tratamento de Quiropraxia

Síndrome do Piriforme

Pode acreditar que o nome é tão estranho quanto à dor que esta síndrome proporciona. A Síndrome do Piriforme é uma irritação do nervo Ciático, provocada pelo aumento da tensão ou espasmo do músculo piriforme.

Síndrome do PiriformeO piriforme é um músculo pequeno e profundo, localizado na nádega, sob os glúteos e tem como função a rotação externa da coxa, (que é quando o joelho ‘olha para fora’), além de auxiliar na abdução (abertura da coxa). Sua localização vai do sacro (porção final da coluna) até o fêmur (osso da coxa). O nervo ciático  passa debaixo deste músculo, mas em algumas pessoas (10%) ele passa através dele, o que aumenta a predisposição para a síndrome. Se o músculo, por algum motivo, sofrer uma tensão, pode haver compressão do nervo ciático, causando dor e irradiação para as pernas.

O paciente com síndrome do piriforme se queixa de dor profunda e localizada na superfície posterior do quadril. Também pode haver dormência e formigamento em direção às pernas e uma lombalgia indicando o comprometimento do ciático.

A causa mais comum é a tensão e o encurtamento do músculo piriforme. É comum em esportes que requerem corrida, mudança de direção ou descarga de peso excessiva. Corrida em terrenos duros ou irregulares, subir escadas, atividades que exijam muito agachamento e uso de calçados inapropriados para o tipo de pisada ou gastos demais, também podem auxiliar no desenvolvimento da dor.

Ficar sentado por longos períodos, principalmente com a coxa em rotação externa diminui o fluxo sanguíneo para a região do músculo e altera a fisiologia do piriforme (e dos músculos próximos à ele também) provocando o encurtamento. A falta de alongamento irá contribuir para que a musculatura envolvida tencione ainda mais e piore os sintomas.

Se você tem sentido esses sintomas, não se desespere! Procure um Quiropraxista para que o diagnóstico seja estabelecido, descartando a possibilidade de outras patologias que têm sintomas parecidos com a Síndrome do Piriforme.

Depois de confirmado o diagnostico, o Quiropraxista, auxiliarão na redução da dor e consecutiva melhora do quadro. Portanto, preste atenção ao seu corpo e procure sempre ajuda quando sentir necessidade.

Cuidados quiropráticos levam algum tempo para corrigir a coluna, dependendo do estágio da alteração da pessoa e sua adesão ao tratamento e orientações.

Devemos lembrar que levou tempo para o corpo atingir certo grau de degeneração, então é normal e compreensivo esperar um determinado tempo para sua recuperação.

Procure um Quiropraxista e viva bem e com plenitude…

Para Agendar sua consulta ligue: 011-99466-2260

Atenciosamente;
Dr. Fabio Corsini Motta
fabio.ipq@gmail.com
Quiropraxia Clínica – Escolha Quiropraxia e Viva bem.

Texto de: Priscila Frietzen

SIGA o Blog e receba primeiro as Notícias….

Mantenha a calma e seja ajustado!! quiropraxia clínica

Immagine

Mantenha a calma e seja ajustado!! quiropraxia clínica

Não se desespere!! Para agendar sua consulta ligue: 011-99466-2260

Clínica de Quiropraxia e Acupuntura

SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO (STC)

SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO (STC)
Síndrome do túnel do carpo (STC) é uma condição relativamente comum, crônica e incapacitante. Esta síndrome é caracterizada por parestesias noturnas mão desconforto, dedo na distribuição do nervo mediano e atrofia da musculatura tenar.

Esta condição é mais freqüentemente causada pela compressão do nervo mediano no túnel do carpo. Este distúrbio ocorre mais freqüentemente entre as idades de 30 e 60 e é de 2 a 5 vezes mais comum em mulheres do que homens. Mão dominante é afetada frequentemente, no entanto, com 32 a 50% dos casos ocorrem bilateralmente.
Anatomicamente, o túnel do carpo é formado por todos os carpos do pulso, que se aprofunda pelos tubérculos do escafóide e trapézio no lado radial e pelo pisiforme e gancho do hamato no lado ulnar. Esta concavidade é convertida em um túnel pelo retináculo flexor resistente que se estende entre o tubérculo do escafóide e o estilóide ulnar. Os oito flexores dos dedos, o flexor longo do polegar e o nervo mediano todos compartilham o espaço no túnel.

Existem três principais teorias sobre a etiologia da STC:

1. O aprisionamento local do nervo mediano no túnel do carpo, podem ser classificados em três grupos:

uma. A diminuição do tamanho do túnel cárpico devido a alterações de tecidos ósseos ou mole, tais como desalinhamento dos ossos do carpo, fracturas, deslocamento, ou osteófitos hipertróficas ou fibrosos cicatrizes.

b. Um aumento no volume do conteúdo normal do túnel cárpico. Isto pode ser devido à hipertrofia do trabalho dos músculos e tendões no túnel do carpo, que não é incomum em dentistas, jogadores de tênis e golfe, digitadores, operários, e as pessoas confinadas a cadeiras de rodas. Proliferação sinovial devido à artrite, tenossinovite, edema devido à insuficiência cardíaca congestiva, e amilóide em pacientes em diálise são outras causas menos comuns para um aumento no conteúdo do túnel do carpo.

c. Ocupando espaço lesões como lipoma e cistos também fará encarceramento do nervo mediano no túnel do carpo.

2. Doenças sistêmicas também fará com que neurite afetar o nervo mediano, mais comumente pacientes com diabetes, sete por cento dos pacientes com STC têm diabetes.

3. A terceira causa de STC foi rotulado como idiopática, na verdade, 50% dos pacientes com STC têm uma etiologia desconhecida. STC também foi encontrado em associação com a menopausa e gravidez trimestre da gravidez.

O diagnóstico da STC, até recentemente, tem sido essencialmente empírica. Apresentam parâmetros de diagnóstico incluem história clínica, sinais clínicos e estudos de condução nervosa, que pode ser equivocada. Modalidades de imagem antes de ressonância magnética (MRI) têm sido na maioria das circunstâncias não contributivo, com exceção de lesões ósseas, como fraturas e osteófitos. Da mesma forma, a escolha do tratamento conservador ou cirúrgico é em grande parte empírica. A razão para o sucesso ou fracasso do tratamento conservador é mal compreendida, possível porque a causa exata para os sintomas geralmente não é estabelecida antes do tratamento.

O papel da ressonância magnética na avaliação da síndrome do túnel do carpo atualmente não é definitivo porque os parâmetros para o tratamento conservador e cirúrgico não foram estabelecidas. Infelizmente para os nossos pacientes, não há nenhum guia geralmente aceite para quando um paciente deve passar por cirurgia. Muitas vezes o paciente passa por cirurgia sempre que o ortopedista se sente o paciente não respondeu ao tratamento conservador. Se não há nenhuma causa demonstrável de pressão sobre o nervo mediano, em seguida, a conduta conservadora deve ser o tratamento preferido. Razões para o insucesso do tratamento cirúrgico ou recorrência de sintomas poderia ser devido a diagnóstico inadequado, degeneração Walleriana, devido ao tratamento tardio, incisão inadequada do retináculo flexor, a cicatriz pós-operatória ou neuroma, ou um crescimento de ocupação de espaço lesões dentro do túnel do carpo. O diagnóstico e tratamento de STC poderia ser feita substancialmente mais objectivo com a utilização de MRI.

O local, edema e constrição do nervo mediano pode ser facilmente avaliada com ressonância magnética. Edema e fluido em bainhas tendinosas também pode ser visto com MRI. Necrose isquémica do osso, neuroma incisional, e gordura no interior do túnel cárpico pode também ser demonstrada. RM pode ser utilizada para avaliar a etiologia dos sintomas do paciente que permitam uma escolha mais racional de opções de tratamento voltadas para a etiologia. Pós-tratamento exame de ressonância magnética poderia também servir como um meio útil para prever o sucesso ou fracasso de um determinado tratamento.

Para agendar sua consulta de quiropraxia e acupuntura ligue: 011-99466-2260 e viva sem dor no punho.

Atenciosamente;
Dr. Fabio Corsini Motta –

Quiropraxia Clínica – Escolha Quiropraxia e Viva bem.